PR5SMA | Costa Sul

PR5SMA | Costa Sul

Esta pequena rota tem início no Centro de Interpretação Dalberto Pombo, onde está reunido o vasto espólio deste naturalista. Na descida pela artéria principal de Vila do Porto, em direção ao Forte de São Brás, existem vários edifícios que recordam a história do povoamento da ilha e dos Açores.

O Forte de São Brás, construção militar do século XVII, serve de miradouro sobre a baía do Calhau da Roupa e o porto comercial da ilha, local desde sempre escolhido para trocas mercantis.

Pela esquerda do Forte de São Brás, siga por um caminho de acesso à Ribeira de São Francisco.

Nesta ribeira e na sua foz, sobretudo no outono/inverno, surgem aves de arribação como a garça-real (Ardea cinerea), a garça-branca-pequena (Egretta garzetta), o galeirão (Fulica atra) e o maçarico-real (Numenius arquata).

A caminho da Pedreira do Campo contemple atrás de si a vista sobre a parte superior do Ilhéu da Vila, uma Reserva Natural de elevada importância para a nidificação de aves marinhas, como por exemplo a alma-negra (Bulweria bulwerii).

A Pedreira do Campo, classificada como Monumento Natural Regional, é uma antiga frente de exploração de inertes. Aqui, a presença de conteúdo fóssil marinho abundante e diversificado, a uma altitude de 180 metros, evidencia parte da história geológica da ilha e da regressão marinha ocorrida há cerca de 5 milhões de anos.

O trilho segue por entre os pastos, em direção ao Touril, onde são dados a conhecer a Gruta e o Forno de Cal do Figueiral, local propício a uma pequena paragem de contemplação e descanso. Trata-se de uma gruta artificial de onde se extraía calcário e argila.

Prossiga viagem ao longo da Costa Sul, por um caminho outrora utilizado para o transporte das pedras calcárias. Para além da agradável paisagem, poderá também observar a flora natural como a faia-da-terra (Morella faya) ou a cabaceira (Pericallis malvifolia), e espécies introduzidas como o incenso (Pittosporum undulatum), a babosa (Agave americana), o cacto (Opuntia ficus-indica) e a murta (Myrtus communis).

Para além da fauna já enumerada, poderá ainda observar o milhafre (Buteo buteo rothschildi), o pombo-da-rocha (Columba livia), a estrelinha (Regulus regulus sanctae-mariae) e a caixinha ou pisco-de-peito-ruivo (Erithacus rubecula), mas também poderá ser surpreendido por algum coelho-bravo (Oryctolagus cuniculus).

A sinalética guiá-lo-á à entrada de nova pastagem que leva o percurso à crista da encosta da Prainha, onde poderá optar pela descida ou prosseguir pelo caminho de pé-posto junto dos grandes metrosíderos (Metrosideros excelsa), em direção à estrada regional que o leva ao miradouro da Macela.

A descida à Prainha faz-se por entre mato misto; aproveite para descansar na sua areia clara ou até mesmo dar um mergulho nas límpidas águas. Prosseguindo a caminhada, já junto ao Forte da Prainha, poderá optar por subir em direção ao miradouro da Macela ou seguir pela costa. Ambos os caminhos terminarão na Praia Formosa, mas o primeiro inclui um troço de estrada regional a partir do miradouro.